Enquadramento Territorial

Situada na região Centro de Portugal Continental, a União das Freguesias de Souselas e Botão é uma freguesia rural pertencente ao concelho e distrito de Coimbra, na região do Baixo Mondego, localizando-se na extremidade mais a Norte do concelho e da própria cidade de Coimbra. Resultado da união de dois territórios, em 2013, no âmbito da reforma dos limites administrativos nacionais, esta freguesia faz fronteira na parte Sul com outras duas freguesias do concelho de Coimbra – Brasfemes e UF. de Trouxemil e Torre de Vilela. Faz também fronteira com outras quatro freguesias do concelho da Mealhada – Barcouço, Pampilhosa, Casal Comba e Vacariça – e com duas freguesias do concelho de Penacova – Figueira de Lorvão e Sazes do Lorvão.

Com uma localização estratégica, o seu limite poente é acompanhado pela IC2, no seguimento da Autoestrada A31, que une Coimbra a Mealhada, e é atravessada pelo IP3, desde o nó com a A31 em direção a Penacova, passando por Souselas e Botão.

Com uma área de 33.01km2, a UF. de Souselas e Botão é constituída por vários lugares, aqui distinguidos pela antiga divisão administrativa: na sua parte Sudoeste[1], os lugares de Souselas, Marmeleira, Sargento Môr, Zouparria do Monte, S. Martinho do Pinheiro, Lagares, Santa Luzia, Ribeiro e Pisão dos Canaviais; e a Nordeste, encontram-se os lugares de Botão, Larçã, Paço, Outeiro do Botão, Póvoa do Loureiro, Mata de São Pedro e Paúl.

De acordo com os dados censitários de 2021, esta freguesia tem, em termos populacionais, 4188 habitantes e uma densidade populacional de 126,9hab/km. No que diz respeito à sua matriz sociológica, a freguesia tem 20.9% da sua população acima dos 65 anos de idade (com índice de envelhecimento de 154.9%) e uma média de 43.7 anos de idade. Apresenta uma baixa taxa de desemprego (9.24%), com cerca de 41% da sua população empregada, maioritariamente nas indústrias transformadoras, comércio por grosso e retalho, e construção. Da população empregada, apenas 20% o faz na freguesia de Souselas e Botão, sendo que 54% viaja até outra freguesia de Coimbra para trabalhar, e 21.7% trabalha noutro município. Esta dinâmica confere-lhe uma perspetiva de sustentabilidade económica não só pelas atividades e mercado de trabalho que consegue manter dinâmico, mas pela estreita relação com os territórios vizinhos. Isto significa que, do ponto de vista económico, acentua-se a grande importância do setor terciário (69.2%), sendo que 40% está dedicado ao setor mais económico e 29% à vertente social. Já o setor secundário (ligado à indústria transformadora) representa 30% e é também bastante superior quando comparado com o emprego no setor primário. Não obstante, a agricultura continua ativa, sobretudo com a produção de milho, azeitona e, principalmente, de uva, que abastece a indústria vinícola da Bairrada. A pecuária, essencialmente, para consumo doméstico, tem referência na produção de coelhos e galinhas, para além da imprescindível criação do porco, nomeadamente da raça Bísaro e a raça bovina Marinhoa, autóctone da Beira Litoral.


[1] Pardal, J. e Pinho, J. (s/d). Alhastro: Boletim comemorativo do Dia da Freguesia de Souselas. Junta de freguesia de Souselas.